ArtigosArtigos ExternosThe SimsThe Sims 2The Sims 3The Sims 4

The Sims 22 Anos: O Melhor e Pior de Cada Versão

A franquia The Sims completou 22 anos no último dia 4 de fevereiro e passou por muitas mudanças ao longo do tempo, algumas delas para melhor, e outras para pior.

Com o aniversário de 22 anos da franquia The Sims, que aconteceu no último dia 4 de fevereiro de 2022, a Gamespot publicou um artigo super legal e interessante falando sobre as melhores e as piores coisas de cada um dos jogos principais que foram lançados desde 2000.

Nós do SimsTime tomamos a liberdade de traduzir o texto para o português, o qual você pode ler abaixo.

The Sims 22 Anos: O Melhor e Pior de Cada Geração

Texto assinado por Jessica Howard, no Gamespot.

Não há muitas franquias que possam dizer terem criado uma linguagem própria, e ainda menos que possam afirmar com orgulho que Katy Perry, Carly Rae Jepsen e My Chemichal Romance cantarem algumas de suas músicas mais icônicas nela. Mas, novamente, não há muitas franquias como o The Sims.

Lançado pela primeira vez há 22 anos, o The Sims é uma das franquias de videogame mais icônicas de todos os tempos por boas razões. O jogo de simulação revolucionou o gênero após o seu lançamento e atuou como um importante ponto de entrada ao universo de jogos para muitas pessoas. Além disso, ele continua continua melhorando e continua sendo uma das experiências de jogo mais inclusivas e convidativas do mercado. No entanto, embora muitas das mudanças inovadoras do The Sims que foram vistas ao longo dos 22 anos da franquia tenham sido um sucesso, não podemos negar que também houve alguns fracassos – este é o custo que você paga ao reimaginar constantemente uma das franquias mais amadas dos jogos. Então, aqui está uma lista de todos os recursos dos quais simplesmente não funcionaram tão bem, como também as partes que ficamos felizes em ver.

The Sims 1

The Sims 22 Anos: O Melhor e Pior de Cada Geração

A melhor parte? Sua progressividade.

Do ponto de vista tecnológico e sociológico, o primeiro jogo da franquia marcou um grande ponto de virada para os jogos eletrônicos. Embora tanto os jogos de simulação quanto os jogos de RPG estivessem vivos e prosperando nos anos 90, o The Sims 1 foi o único na forma como conseguiu misturar os dois gêneros – permitindo com que os jogadores assumissem várias personalidades, aprimorando suas habilidades e os conduzindo através de histórias humanos, tudo ao mesmo tempo, proporcionando uma experiência de simulação desafiadora e incrivelmente inteligente. Também foi socialmente significativo, permitindo com que os jogadores jogassem diferentes cenários sociais, experimentassem vidas diferentes e explorassem a empatia e os relacionamentos de uma maneira totalmente nova. Quando joguei o primeiro jogo aos 7 anos, foi a primeira vez com que joguei algo que permitia relacionamentos gays, e esse recurso acabou me tornando mais consciente da minha própria bissexualidade. A quantidade de espaço que o The Sims deu aos jogadores para exploração social não pode ser exagerada e continua sendo incrivelmente importante.

O Pior? Sua jogabilidade limitada faz com que o jogo rapidamente pareça repetitivo.

Embora impressionante na época, as origens humildades da franquia The Sims eram apenas isso: humilde. Com personalização limitada de personagens, maneiras de interagir, caminhos de carreira, e lotes para se mudar, não demorou muito para sentir como se eu estivesse contando a mesma historia rapidamente. Claro, pode-se argumentar que é preciso um certo grau de imaginação e projeção para tornar os jogos The Sims agradáveis em primeiro lugar, e que a monotonia é parte de seu charme, mas a primeira versão da franquia exigia muito mais do que a maioria de nós provavelmente se sentiria confortável ao jogar nos dias de hoje. Enquanto eu ainda gastava uma grande quantidade de tempo no jogo – e adorava quase todos os momentos dele – grande parte desse tempo também foi gasto ansiando por mais opções. Os fantásticos pacotes de expansão do jogo ajudaram a torná-lo mais charmoso e selvagem, mas comparado aos títulos posteriores, faltava a sensação de infinitas possibilidades.



The Sims 2

The Sims 22 Anos: O Melhor e Pior de Cada Geração

A Melhor parte? Suas histórias imersivas e completamente fora da caixinha.

O The Sims sempre foi um jogo estranho – basta pegar o The Sims 1 Num Passe de Mágica ou Gozando a Vida, e você entenderá o que eu quero dizer. mas enquanto todos os outros jogos The Sims têm jogadores que optam por mergulhar de cabeça na estranheza da franquia, o The Sims 2 agarrou a sua mão que segurava o mouse, e o puxou direto para dentro do jogo. Existem três bairros que você pode viver no jogo básico: Belavista, Vila Verona e Estranhópolis. E embora você possa ter a impressão de que uma grande caixa de areia vazia espera por você em cada uma dessas vizinhanças, como é o caso dos outros jogos – você estaria errado em supor isso aqui. No The Sims 2, cada vizinhança está cheia de drama com D maiúsculo e pilhas de relacionamentos preexistentes. Em Vila Verona, inspirada em Shakespeare, você pode interpretar versões modernas de Romeu e Julieta, Sonho de uma noite de verão e muito mais. Em Estranhópolis, você é atraído por uma história de abduções alienígenas, e embora Belavista parecesse uma opção normal a se escolher, toda a cidade era essencialmente uma grande novela – cheia de infidelidade, desconfiança e muito mais. Mergulhar na vida desses personagens preexistentes – cheias de novas pequenas cenas e histórias bobas – foi incrível, e eu realmente gostaria que a franquia construísse seus mundos dessa maneira.

O pior? Sims carentes.

Embora eles possam ter sido os personagens mais peculiares e elaborados da franquia The Sims, os Sims do The Sims 2 eram mais carentes. Apesar deles terem o mesmo número de necessidades dos Sims do The Sims 1, muitas vezes parecia que você simplesmente não conseguia atender às demandas dos Sims na segunda versão do jogo por conta da rápida deterioração de suas necessidades. Claro, o jogo oferecia muito mais coisas para fazer e alguns dos melhores pacotes de expansão para contemplar a franquia, mas realmente aproveitá-las era muito difícil quando você está ocupado preparando sanduíches grelhados de queijo e tomando banho o tempo todo.



The Sims 3

The Sims 22 Anos: O Melhor e Pior de Cada Geração

A melhor parte? Seu ambicioso mundo aberto.

Enquanto o salto tecnológico entre os jogos do The Sims são sempre substanciais e interessantes, os saltos feitos pelo The Sims 2 e The Sims 3 são de longe os que mais mudaram o jogo. Um dos pontos mais chamativos do The Sims 3 – além da inclusão de traços de personalidade e do recurso Criar-um-Estilo – era o seu mundo, que procurava acabar com aquelas telas de carregamento irritantes e fazer a jornada de seus Sims mais transparente e libertadora. A ideia funcionou e –  ainda mais quando combinado com o novo recurso de progressão de história – feito para que os Sims se sentissem mais como um membro de uma vizinhança viva que respira mais do que nunca.

A pior? O jogo lagava muito.

Infelizmente para nós, fãs do The Sims, a melhor parte do The Sims 3 também foi a que mais contribuiu para o pior: o The Sims 3 funcionava extremamente mal. Presumivelmente devido ao jogo abandonar as telas de carregamento em favor de um mundo aberto e implementar o recurso de Criar-um-Estilo, o jogo tinha uma tendência de fazer o seu PC parecer que fosse explodir – mesmo se você tivesse uma máquina bastante robusta. Além disso, o jogo também era propenso a travar, tornando os salvamentos frequentes uma tarefa irritante, mas incrivelmente necessária. Embora a decisão do The Sims 4 de abandonar o conceito de mundo aberto do The Sims 3 e também o Criar-um-Estilo pareça um retrocesso, aqueles que sofreram no The Sims 3 sabem que foi um sacrifício necessário.



The Sims 4

A melhor parte? Sua criação de personagens robusta e inclusiva.

Enquanto todo mundo tem a sua coisa favorita do The Sims – seja criando lentamente a casa dos seus sonhos, chegando ao topo da carreira do seu sim, tornando-se um vampiro mundialmente famoso, criando bairros interessantes ou vendo sua família favorita crescer ao longo do curso de vária gerações – todos eles têm uma coisa em comum: são necessários alguns Sims bem feitos que você adore jogar para fazer as coisas valerem a pena. Felizmente, o The Sims apresenta o criador de personagens mais completo e inclusivo de todos os tempos – e até inclui atualizações regulares e gratuitas para ajudar a garantir que o jogo acompanhe os tempos. No The Sims 4, você pode escolher como seu personagem expressa seu gênero sem limitações. Você também tem muita liberdade em relação ao ajuste de tamanho, tom de pele, cabelo, dentes, modificações corporais e muito mais. Por último, uma das atualizações mais legais do jogo – a capacidade de inserir seus próprios pronomes – está chegando. Embora seja ótimo ver ainda mais diversidade corporal e a capacidade de criar personagens com deficiências, você pode dizer que a equipe está se esforçando para nos fornecer as ferramentas para criar os Sims mais realistas até agora.

A pior? A quantidade de conteúdo fragmentado em pacotes de expansões caros.

Saindo do The Sims 2 e do The Sims 3, a quantidade de conteúdo na versão básica do The Sims 4 é um pouco… bem decepcionante. Embora os pacotes de expansões da série sempre tinham sido atraentes e uma maneira fantástica de manter o jogo vivo, alguns dos pacotes do The Sims 4 parecem ser muito necessários para tornar o jogo vivo. No momento, o The Sims 4 oferece 11 Pacotes de Expansão, 10 Pacotes de Jogo e 18 Coleções de Objetos, gerando R$3.440 reais em conteúdo adicional disponível. No entanto, muitos desses complementos não adicionam muito ao jogo, tornando frustrante que certas coisas não tenham sido meramente incluídas na versão básica do jogo. Claro, eu sou uma otária e comprei alguns desses pacotes de qualquer forma (embora quase sempre à venda, lembre-se), mas definitivamente não é algo que eu sou fã.

Este artigo foi publicado originalmente no Gamespot e assinado por Jessica Howard, no Gamespot.

Fonte
Gamespot

SimsTime

Como editor do SimsTime, o meu trabalho por aqui é trazer diariamente notícias, novidades e informações relacionadas ao mundo Simmer, mantendo todos sempre bem informados!

2 Comentários

  1. Eu não joguei muito The Sims 2 (sim, sou do contra), mas concordo com o restante. O The Sims 1 era bem legal, mas muito limitado, até quando a gente baixava aqueles itens hackeados pra ver se dava uma animada nas coisas. E podem me julgar, mas eu amava os gráficos do TS 1. O mundo aberto aberto do TS 3 é algo que faz MUITA falta, mas os travamentos eram de tirar do sério, sem contar o tempo que as telas de carregamento levavam pra carregar quando a gente ia pra universidade ou viajava. Hoje em dia, eu jogo mais TS 4 e, sim, é bem irritante ter que ficar comprando várias DLCs pra incrementar a jogabilidade, até porque os preços não ajudam (aí a gente espera as promoções, isso quando elas são boas).

    PS.: Há um erro de tradução bem incômodo na última linha: “(embora quase sempre à venda, lembre-se),”, ela não quis dizer nesse caso que comprava os jogos quando estavam à venda (porque está claro que estavam, senão como ela ia comprar?), ela quis dizer que costumava comprar os jogos na promoção (sim, “on sale” pode ser tanto “à venda” como “na promoção”, vai depender do contexto). E outra, o “lembre-se” (que no original é “mind you”), não é literal, mas algo como “veja bem”, “olha só”.

    1. Eu joguei muito o TS2 e TS3, o TS1 eu nunca joguei i.i
      Mas uma coisa que eu amava no TS3 era poder mudar a cor de tds as coisas da roupa xD
      e as FADAS aaaaah fadinhas i.i
      e os Vampiros dos TS3 eram mais legais rsrs
      e o TS2 tinha uma pegada melhor de história msm.. mas acho q o forte do TS é o player criar a própria história né tbm… mas enfim o TS4 é perfeito em quase td, tirando os preços exorbitantes msm.. u.u

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo